Menu
da capo
Meu coração, não sei por que, bate feliz quando te vê
Pixinguinha
Playlists com músicas especiais para você

– por Paula Musique –

Vladimir Horowitz (1903-1989) foi um pianista judeu, nascido na Rússia e reconhecido com um dos maiores virtuoses do piano no século XX. Admirado por sua precisão técnica e pela expressividade em sua dinâmica, Horowitz é o pianista mais premiado da história do Grammy – apelido para o nome original ‘Gramophone Awards’ – por isso a estatueta é um gramafone.

Este pianista recordista levou 25 GRAMAFONES para casa. Sim, 25 grammy awards para um pianista de música erudita. O diferencial do Grammy é que ele é o prêmio mais importante da indústria fonográfica mundial e os artistas premiados são escolhidos pelos membros da Recording Academy que reúne músicos, engenheiros de som, produtores musicais, compositores e técnicos. A cerimônia do Grammy acontece anualmente em reconhecimento à excelência do trabalho no âmbito de conquista artística, quanto ao destaque técnico e a excelência na indústria musical. Não se leva em consideração o número de álbuns vendidos ou quantas vezes o artista apareceu na lista de hits do mês.

Horowitz está entre os 6 artistas mais premiados pelo Grammy. Isto mesmo! Ele empata com Stevie Wonder e supera pessoas como Beyoncé e Kanye West até o presente momento.

[Siga-nos no para biografia resumida de celebridades, piadas de músicos, ideias de educação musical e outras coisitas]

O pai de Horowitz era engenheiro eletricista e sua mãe era pianista profissional e professora no Conservatório de Kiev – onde ele viria a estudar já aos 9 anos de idade. Aos 11 anos, ele conheceu Alexander Scriabin com quem viria a tocar. Em 1920, ele se formou no conservatório e naquela época sua família ficou muito mal, teve seus bens tomados pelos bolcheviques – até o piano de Horowitz foi levado. Em 1922, ele fez 22 concertos em Leningrado (São Petersburgo), sendo pago com comida, em vez de dinheiro. Em 1926-27, fez 69 concertos na Europa. Sua estreia nos EUA aconteceu em 1928 com a Orquestra Filarmônica de NY, executando o Concerto N.1 de Tchaikovsky. Sua carreira continuou deslanchando e ele chegou a se tornar grande amigo de Rachmaninoff que chegou a admitir que Horowitz conseguiu superá-lo na interpretação de uma sua própria obra, o Concerto para Piano N.3 de Rachmaninoff. Em 1933, ele conhece o maestro italiano Toscanini e casa-se com sua filha, Wanda.

Divirta-se respondendo esta quiz sobre Música Brasileira
E se quiser mais uma quiz, tem esta aqui sobre Instrumentos Musicais
Para fazer exercícios automatizados para leitura de notas musicais para PIANO, pratique aqui

Curiosamente, ele teve que fazer alguns intervalos durante sua carreira, principalmente nos anos de 1953-1965 e 1969-1974 por sofrer com ansiedade e depressão. Às vezes, tinha medo de palco e precisava ser “empurrado”. Entretanto, um vez sentado ao piano, arrasava! Era excelente com sua articulação clara e belo fraseado. Em 1986, fez uma turnê na Rússia para onde ele levou o seu piano Steinway num estojão a prova de balas. Todos os ingressos para os concertos em Moscou e São Petersburgo ficaram esgotados meses antes de sua chegada ao país.

Horowitz teve um ataque no coração e faleceu no dia 5 de novembro de 1989, em New York. Foi sepultado no túmulo da família Toscanini, em Milão, na Itália.

E agora que você pôde conhecer um pouco sobre a vida deste fantástico pianista, um dos maiores de todos os tempos, ganhador de 25 GRAMMY AWARDS, vale a pena conferir algumas de suas interpretações.

=== Você já havia ouvido falar de Vladimir Horowitz? Caso já conheça seu trabalho, o que mais você sabe sobre ele? Se nunca ouviu falar, será que é porque a música erudita não recebe espaço suficiente na mídia? Participe respondendo nos comentários. 

Leia sobre Sarah Chang, uma das melhores violinistas do mundo, aqui

E sobre as vantagens de quem lê partitura

E sobre Maria Callas, La Divina Diva da ópera

Horowitz ao piano, em 1943, em gravação ao vivo do concerto com Arturo Toscanini (seu sogro) na regência da Orquestra Sinfônica da NBC, no Carnegie Hall:

Fantasia-Improviso Op. 66, de Chopin:

Au Bord d’une Source, de Liszt:

Aqui, ele tinha 83 anos e, sem partitura, executou a Polonaise em Lá Bemol, Op.53 (Heróica), de Chopin, brilhantemente:

Para fazer testes e medir seus conhecimentos quanto aos termos musicais italianos, clique aqui. Para o teste sobre instrumentos musicais, é aqui. E para o teste de história da música ocidental, right here.

Se você gostou, deixe seu like para nos motivar a escrever mais.
Siga o blogue e compartilhe com os seus amigos ;)

Paula Musique
Viver vai muito além de realizar meus próprios sonhos, pois posso dar as mãos ao próximo e ajudá-lo a realizar seus sonhos também & a vida fica muito melhor com Música.
Você também pode gostar de ler:
  1. Maria W. 09/06/2019

    Minha filha é pianista ;) fico feliz de saber que um pianista já ganhou tantos prêmios importantes.

Copyright - Paula Musique © Todos os direitos reservados.